Bancos | 13/01/2020 | 15:01:49
Bancários comemoram aniversário da Caixa com atos em defesa do banco público
Dirigentes sindicais lembraram a importância da instituição para o desenvolvimento do país
 
 
A Caixa Econômica Federal fez 159 anos neste domingo, 12 de janeiro. Para marcar a data, sindicatos de todo Brasil realizaram atos nas agências da Caixa nesta segunda-feira, 13. Em Porto Alegre, a ação em defesa da manutenção do banco público, contra a abertura de capital, ocorreu ao meio-dia, em frente ao Edifício-Sede, no Centro Histórico.

A diretora da Fetrafi-RS Denise Falkenberg Corrêa participou do ato, que contou com a distribuição de um bolo de aniversário. "É um dia de comemorar porque a Caixa faz parte da vida de todos e todas e, inclusive, de quem não é correntista do banco. A Caixa financia a casa própria, financia a saúde, obras de saneamento, a cultura e as artes, o esporte, o Fies. Ela está presente na vida de todos nós e é assim que tem que ser", destacou.

"Infelizmente, atravessamos um  momento no país em que estamos sendo ameaçados com grandes retrocessos, um deles é a ameaça de privatização, de entrega dos bancos públicos. E isso não podemos permitir", reforçou Denise, lembrando a história da Caixa, que foi o primeiro banco a abrir conta para a população de rua e onde os escravos depositavam o dinheiro para comprar sua liberdade. 

Sindicatos mobilizados

Os sindicatos de diversos municípios e regiões do estado, como Alegrete, Camaquã, Santa Rosa, Rio Grande, etc, se mobilizaram desde cedo neste dia de comemoração e luta. A diretoria do Sindicato dos Bancários do Vale do Paranhana fez reuniões e distribuiu material pela manhã.
 
"É por meio de setores como as loterias, os seguros e os cartões que a Caixa financia o sonho da casa própria, o acesso à faculdade com o Fies e o crédito mais barato. É por intermédio delas também que saem os recursos para o Minha Casa Minha Vida, o maior programa habitacional do Brasil. Com a venda dessas áreas e a retirada do FGTS, o Brasil todo perde. Mas a população de baixa renda é a que será mais prejudicada com o fim do seu acesso ao sistema financeiro, ao crédito, à poupança e a outros serviços”, ressaltou a diretora geral do Sindicato, Ana Maria Betim Furquim, que também é diretora da Fetrafi-RS.